Recomendação de leitura: Branca dos Mortos e os 7 zumbis, de Fábio Yabu

Sabe aquele livro que você até tem vontade de ler por curtir o autor mas não espera nada de revolucionário e acaba se enganando? Esse é o tipo de livro que Branca dos Mortos e os 7 zumbis, do Fábio Yabu, foi para mim.

A primeira vez que vi sobre ele foi quando saiu pela NerdBooks – que, aliás, é uma proposta incrível criada pelo Jovem Nerd, incentivando os brasileiros a escreverem e lerem mais livros escritos por brasileiros – e eu pensei comigo mesma… Contos de fadas + zumbis, não sei, não.

Acontece que eu realmente não sou fã daquele tipo de zumbi hollywoodiano, sabe? Não por medo, muito pelo contrário. Acho que tem criaturas mais interessantes para explorar. Mas esse livro realmente me surpreendeu. O primeiro ponto positivo foi ser realmente bem escrito. E os contos são extremamente criativos. Pode ser que incomodem pessoas que não curtam descrições muito violentas (e nojentas!), mas para mim esse foi o charme da história.

Outro ponto super positivo é que, depois de um tempo, você percebe que os contos são, de certa forma, interligados, aumentando ainda mais a magia do livro. E que zumbis não são, realmente, o foco da história. Os contos que mais me marcaram foram o do título, Branca dos Mortos e os 7 zumbis, e o último, Samarapunzel – sim! Espere um crossover bem macabro de O Chamado com Rapunzel. Aliás, com esse livro aprendi que rapunzel é uma planta, eu não fazia nem ideia.

branca-dos-mortos-inside

O livro é curtinho, tem 200 páginas. A capa da NerdBooks (a com as letras vermelhas na imagem acima) já não se acha mais para vender, mas a da Globo Livros tá beeem legal também. A edição da NerdBooks vinha com ilustrações dos contos feitos pelo ilustrador Michel Borges, não sei se a da Globo Livros manteve isso.

Fábio Yabu provou novamente que é um escritor versátil e cheio de criatividade. Por isso e por todos os motivos citados acima, leiam essa obra! E depois me contem o que acharam. :)

leitura livro recomendação terror

Deixe uma resposta